Esta é a página virtual do Jornal Partilhando, o informativo da Paróquia de Santo Antônio - Santo Antônio do Monte, MG

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Petição a favor da vida dos fetos anencéfalos

Está sendo organizada uma petição online em defesa da vida dos fetos anencéfalos e contra, portanto, a autorização do aborto dessas crianças. A petição será depois encaminhada ao Supremo Tribunal Federal. Participe! Ajude a mostrar aos juízes do Brasil o que o povo brasileiro pensa.

O endereço:

http://www.petitiononline.com/DAV2008/

quarta-feira, 2 de julho de 2008

Conheça o blog Miles Ecclesiae

Você que tem acompanhado o Jornal Partilhando Online, conheça também o blog católico Miles Ecclesiae. Lá você encontrará notícias sobre a Igreja no Brasil e no mundo, além de dicas de músicas, livros e filmes com conteúdo católico, artigos de formação e muito mais. Lá republicaremos também alguns dos textos mais interessantes publicados aqui. O blog será atualizado com bastante freqüência. Visite, leia, comente, divulgue!


O endereço do blog é www.milesecclesiae.blogspot.com

Obrigado!

sábado, 28 de junho de 2008

Eu renovo todas as Coisas

O vídeo abaixo é feito com cenas do filme A Paixão de Cristo e com uma belíssima música: All things new. A canção foi composta por integrantes do movimento Regnum Christi, inspirados justamente pelo filme. Vale muito a pena conferir:

quarta-feira, 7 de maio de 2008

O Jornal Partilhando está de volta

O Jornal Partilhando está de volta na web e em breve, se Deus quiser, também estará circulando novamente no formato impresso. O jornal deixou de circular nos primeiros meses deste ano em função das adequações que tiveram que ser feitas na forma como o jornal é produzido. Estamos também procurando uma solução que possibilite continuar imprimindo o jornal, já que nem todos têm acesso à Internet. Enquanto isso, continuaremos publicando nossas matérias aqui no site.

Obrigado por sua paciência. E continue conosco! E por favor, reze por nós, para que possamos prosseguir com este trabalho e para que possamos aperfeiçoá-lo sempre.

Projeto Formamos a Igreja Viva

Autor: Sem. Marcos Tiago da Silva

Estimados paroquianos de Santo Antônio do Monte, neste ano celebramos os 90 anos de criação de nossa querida diocese de Luz. É o Povo de Deus em festa, pois ao celebrar esse jubileu, somos chamados a agradecer a Deus por inúmeras pessoas que por aqui passaram e que foram capazes de fazer de suas vidas um dom - um instrumento - a serviço do Reino de Deus. E também a reconhecer que ainda há muito que fazer e que todos nós somos membros do corpo de Cristo, que é a Igreja e, por isso mesmo, somos co-responsáveis pela missão de implantar a Boa Nova no mundo.

É na certeza e confiança de estarmos caminhando e trabalhando sempre mais para a construção de uma Igreja que “forma o Povo de Deus, renova a comunidade e transforma a sociedade”, que iniciamos mais uma etapa do nosso Projeto Diocesano de Pastoral: “Formamos a Igreja Viva”.

Neste quarto ano do nosso Projeto, vamos refletir sobre a SOCIEDADE, mas antes de iniciarmos esse tema, queremos olhar um pouco para trás e reconhecer o caminho já percorrido nos últimos três anos, após a II Assembléia Diocesana de Pastoral.

No primeiro ano (2006), buscamos aprofundar a reflexão acerca da pessoa humana em sua totalidade, trabalhando em três momentos de formação os seguintes temas: afetividade, ética e espiritualidade, mostrando assim, que deve haver uma constante harmonia entre todas essas dimensões, procurando sempre uma boa integração naquilo que somos. Dessa forma, fomos conduzidos a tomar consciência de que somos seres de relações, que existimos com o outro, com a natureza e com de Deus.

No ano seguinte (2007), nossa reflexão se estendeu ainda mais; nos dedicamos ao tema da comunidade, levando em consideração que, na condição de pessoas, filhos e filhas amados e amadas de Deus, somos chamados a viver em comunhão, tendo sempre em mente o modelo deixado pelas primeiras comunidades cristãs, onde a fraternidade e o amor constrói a unidade.

Abrindo ainda mais o nosso campo de reflexão e ação, neste quarto ano do projeto (2008), vamos refletir sobre a sociedade em três momentos de formação e espiritualidade. No primeiro dia de formação, que aconteceu no dia 29 de março em âmbito paroquial, contamos com a presença de setenta e sete membros de nossas comunidades. O eixo central de nossa reflexão foi a questão do “Olhar Cristão para a Sociedade”.

Auxiliados pelos membros da comunidade que participaram do dia de formação em âmbito forâneo e, também pelos nossos padres, buscamos perceber como deve ser o nosso olhar de cristãos para a sociedade na qual estamos inseridos.

Após realizar uma “radiografia” da sociedade, destacando assim, os pontos positivos e os desafios a serem melhor trabalhados, chegamos à conclusão de que o nosso olhar cristão não pode ser “romântico” (pensar que tudo está bom), nem “pessimista” (pensar que tudo está perdido), mas devemos ter sim um olhar de esperança, que seja capaz de ir além daquilo que nos é apresentado, um olhar que nos leve a ser “profetas da esperança, da com-paixão e do amor”.

Outra dimensão do olhar cristão para a sociedade que também foi refletida e se torna muito importante para nós, principalmente neste ano de eleições municipais, é a necessidade de cultivarmos um olhar “compromissado”, que nos faça sentir responsáveis pelo rumo que nossa sociedade está tomando ou deixando de tomar. Pois, como dizia o Papa Paulo VI: “Um gesto de caridade acaba com a fome de uns poucos, mas uma boa política pode acabar com a fome do mundo”. Portanto, devemos ter claro que o discípulo-missionário de Jesus, deve testemunhá-Lo em todo e qualquer lugar onde quer que se encontre.

Fica para nós um convite: tomar conhecimento e participar das comemorações dos 90 anos de nossa Diocese, buscar refletir nas comunidades, pastorais e movimentos os temas e materiais propostos pelo nosso projeto de pastoral, procurando assim, reconhecer a importância do testemunho cristão para a transformação de nossa sociedade. Sem perder de vista que as grandes mudanças só começarão com a nossa significativa contribuição e testemunho de fé, esperança e caridade.


Logomarca dos 90 anos de criação da Diocese de Luz

Autores: Carlos César de Faria e Padre Antônio Carlos da Silva

Acesse site: www.diocesedeluz.org.br

Nossa diocese celebra, em oito de julho de 2008, noventa anos de sua criação. Com muita generosidade, trabalho e dedicação, esta Igreja particular de Luz, nossa barca, cumpre a sua missão de anunciar a Boa Nova de Jesus Cristo nesta porção do centro-oeste mineiro.

Este logotipo é constituído de duas partes. A primeira parte é simbolizada pelo barco em movimento, que representa a Igreja Diocesana. A rede lembra tanto as pequenas comunidades quanto a unidade da ação evangelizadora concretizada no Plano Diocesano de Evangelização. Evoca, também, todas as vocações originadas da graça batismal e testemunhadas em nossas comunidades eclesiais, na força missionária do discipulado. Assim como o mastro é suporte para a vela e para todo o barco, o báculo representa o bispo diocesano, pastor e animador da Igreja Particular. O verde claro é a cor da Igreja Mãe, a Catedral Nossa Senhora da Luz, e sinal da esperança que emerge de nossa caminhada eclesial.

A segunda parte é constituída pela palavra Luz, nome da Sede Episcopal, em forma de onda que lembra o mar. Situa-se aí o lugar da missão, realidade desafiadora que provoca a Igreja Diocesana a abraçar os diversos contextos da sua história. O azul escuro lembra a Virgem Maria, Mãe de Deus e nossa mãe, Senhora Peregrina que nos protege e caminha conosco rumo a águas mais profundas!

CNBB aprova as novas Diretrizes da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil

“Temos novo Documento!”. Com essas palavras o secretário geral da CNBB, dom Dimas Lara Barbosa, anunciou, às 14:45h quinta-feira, 10/04/08 , a aprovação das novas Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil. Ao anúncio, os bispos responderam com palmas de alegria.

“A aprovação das Diretrizes tem um significado de fidelidade à história da CNBB e traduz a abertura à novidade que foi a Conferência de Aparecida”, disse o presidente da Comissão de Redação do novo documento, dom Celso Antônio de Queirós.

“A novidade deste documento vem de uma atualização da preocupação da Igreja transformar-se em uma Igreja missionária. Elas dão um passo novo e grande, à luz do clima da Conferência de Aparecida, que foi voltada para a missão da Igreja como discípula e missionária”, completou. As novas Diretrizes terão duração de três anos.

História da Salvação: Samuel e o modelo do bom governo

Autor: Nilson Antônio da Silva - PJ

Samuel viveu em um momento muito importante da história de Israel, entre 1040 e 971 antes de Cristo, época em que o povo passou do sistema de governo tribal para o sistema monárquico. Esta mudança trouxe conseqüências imensas, principalmente refletidas na cobrança de impostos para sustentar o poder real e, além de tudo, com o uso da religião como forma de sustentar a ideologia do Estado, o qual passa a controlar a economia e a política.

Samuel era filho de Elcana e de Ana. Em agradecimento a Deus, sua mãe o entregou aos cuidados do sacerdote Eli para que o menino permanecesse servindo no santuário de Siló. Neste santuário, Deus se revelou a Samuel e fez dele um profeta. A fama de Samuel se espalhou e, além de profeta, ele foi o último dos juízes de Israel. Nessa época, surgiram diversos conflitos com os filisteus, que passaram a invadir as terras dos israelitas e, inclusive, chegaram a tomar a Arca da Aliança. Tudo isso foi causa de constantes batalhas com aquele povo. Além do mais, os israelitas dependiam muito dos filisteus, os quais dominavam a tecnologia do ferro e da fabricação de armas e de instrumentos agrícolas.

Quando Samuel já estava em idade avançada, o povo de Israel pediu a ele que lhes desse um rei para governá-lo. A princípio relutando, Samuel concordou e escolheu Saul para ser o primeiro rei de Israel. Saul foi um homem corajoso mas, com o tempo, cometeu muitos erros e desobedeceu a Deus. Um erro grave que ele cometeu foi a usurpação de uma função própria de Samuel, quando ofereceu o sacrifício a Deus. Esta função era própria do sacerdote e não do rei. A partir daí, a autoridade de Saul começou a declinar. Então, orientado por Deus, Samuel escolheu Davi para ser o novo rei de Israel.

É interessante notar que o Livro de Samuel traz duas versões distintas do surgimento da autoridade política central: a primeira versão é contrária e hostil à monarquia, pois representa a visão mais democrática das tribos do Norte; a segunda versão é favorável à monarquia, e representa a visão da tribo de Judá, que vivia nas terras menos produtivas do sul. Analisando as duas versões, é possível concluir que a autoridade é um mal necessário e, ao mesmo tempo, um dom de Deus. Assim, o Livro de Samuel oferece uma visão muito crítica da autoridade política, ao mesmo tempo em que mostra que somente Deus é o único rei sobre o seu povo. Ou seja, a autoridade do rei humano somente tem legitimidade quando este se torna um representante de Deus, isto é, se torna aquele que serve a Deus através do serviço ao povo. Neste sentido, a boa autoridade é aquela que reúne, lidera e protege o povo, ao mesmo tempo em que o organiza e promove a vida social respeitando a justiça e o direito. Portanto, “qualquer autoridade que não obedece a Deus e não serve ao povo é ilegítima e má, pois acaba ocupando o lugar de Deus para explorar e oprimir o povo.”

Leia o Primeiro Livro de Samuel e observe com atenção como Deus instruiu seu povo a respeito da autoridade e como o povo fez suas escolhas.

Na imagem, o profeta Samuel unge o jovem Davi como o novo rei de Israel,
depois que Deus se desgosta das más ações do rei Saul

Eu vim para servir

Autora: Elaine Mascarenhas Oliveira

Ser Servo é ser voluntário, fraterno, ou seja, é ajudar as pessoas.

Existem diversos serviços a serem realizados na sociedade, os quais costumamos classificar como caridade, favor ou obrigação.

Se você ajuda a uma pessoa “menos favorecida”, supõe-se que você está fazendo uma “caridade”, o que leva a sociedade a julgá-lo um ser bondoso, colocando-o no topo da santificação.

Se você ajuda a uma pessoa “mais favorecida”, supõe-se que você está fazendo um “favor”, esperando retribuição em troca, pois a sociedade julga que você está agindo com “segundas intenções”.

Se você ajuda a uma pessoa “mais próxima” (parente, amigo) supõe-se que você não está fazendo mais que sua “obrigação”.

Tais julgamentos nos levam a presumir que servir ao próximo “menos favorecido” é a forma mais fácil de se obter “aplausos”, pois todos se sensibilizam com tal ato.

Porém o “servir em vez de ser servido” não é tão simples assim. É necessário ser pessoa possuidora de dignidade e inteligência suficiente para:
- Servir à pessoa “menos favorecida” com humildade, agindo de igual para igual e com tal discrição que “sua mão esquerda não saiba o que sua mão direita faz”;
- Servir à pessoa “mais favorecida” com desprendimento de qualquer retribuição, pois devemos sempre “fazer o bem sem olhar a quem”;
- Servir à pessoa mais próxima com discernimento para saber diferenciar uma necessidade de um capricho ou autocomiseração.

Não consegue ser Servo quem é egocêntrico, quem coloca em primeiro lugar seus interesses pessoais, visando sempre reconhecimento social em tudo que faz.

Para servir como fez Jesus Cristo são necessários muita oração, silêncio e amor, pois “servir em vez de ser servido” é ser digno de possuir um dos frutos do Espírito Santo, o fruto da benignidade, que nos leva a socorrer o próximo, a ponto de nos sentirmos plenamente felizes em sermos úteis e realizarmos a vontade do Pai.

Portanto lembre-se sempre que, ser Servo não torna você menor diante dos homens, mas sim maior diante de Deus.

Que preguiça de ir à missa...

Era pensando assim que, muitas vezes, eu preferi ficar em casa. Algumas vezes tinha um jogo legal na TV; outras tinha visita em casa; às vezes era um trabalho que precisava ser feito; de vez em quando, era a chuva. Qualquer desculpa bastava. Mas minha consciência, muito mais esperta que eu, fazia questão de pesar.

Mas não é só a preguiça, no entanto que nos afasta da missa.

A nossa má formação católica também nos afasta. Principalmente quando somos adolescentes, acabamos dando ouvidos às bobagens daqueles que dizem que “é mais importante rezar em casa do que ir à missa”. Na nossa cabeça, isso acaba virando mais uma desculpa para faltar. Tem também quem resolva fazer o tipo “revoltado”. A pessoa desiste de ir à missa porque assim se sente mais independente, “diferente”. No fim das contas, essas pessoas acabam se achando melhores do que as pessoas que vão sempre à igreja.

Outra coisa que nos afasta da missa é o pecado. Às vezes ficamos com vergonha de nos confessar diante do padre, vamos adiando e assim deixamos de receber a comunhão. Com o tempo, como não estamos mais comungando, achamos desnecessário ir à missa.

Há outras pessoas que, não entendendo o que a missa significa, a acham “chata”. Para essas pessoas, a missa deveria ser um espetáculo com piruetas e shows de luzes. Isso é falta de compreensão: a missa não é um evento qualquer, não é um showzinho. É o momento em que nós, seres humanos, nos juntamos aos anjos para adorar a Deus. É o momento em que Deus está fisicamente diante de nós, é quando tomamos contato íntimo com Ele por meio da comunhão. Sendo assim, é um momento profundo, especial, que pede de cada um de nós concentração, disponibilidade, meditação. Cada palavra e cada gesto feito pelo sacerdote na missa têm um significado que deveríamos conhecer, pois assim saberíamos apreciar e participar adequadamente do banquete do Senhor.

Não devemos deixar de freqüentar a missa de jeito nenhum. Mesmo se não pudermos comungar. Ora, ao invés de nos afastarmos da comunhão por causa da vergonha de nos confessar, o desejo de receber a comunhão é que deve nos conduzir à confissão. Devemos ter a humildade de reconhecer que, sozinhos, nada podemos e que, se rezar em casa é muito importante, não é suficiente. Devemos ter a caridade para compreender que, se as pessoas que participam da missa cometem erros e pecam, errariam muito mais e pecariam muito mais se não participassem.

Participar da missa é um privilégio. Sejamos menos egoístas, menos preguiçosos, menos exigentes quanto ao ritual e mais receptivos a Deus. Dediquemos ao Senhor uma hora de nossa vida, pelo menos uma vez por semana. Cada um poderá sentir por si próprio como isso lhe fará bem, como vai reaproximá-lo de Deus. Participar da missa não é um mero dever, é uma necessidade, é uma alegria. Receber o Corpo de Cristo é uma graça que só os tolos podem recusar.

A Paróquia é Notícia

Realizou-se nos dias 28, 29 e 30 de março na Casa de Pastoral São Paulo Apostolo da Cidade de Formiga, o Encontro Anual de Formação dos membros do Movimento de Cursilhos de Cristandade da Diocese de Luz onde nossa paróquia marcou presença com 14 participantes.

O Encontro teve como objetivo capacitar os coordenadores das comissões de Pré-Cursilho, Cursilho 3 Dias e Pós Cursilho dentro da proposta apresentada pelo Grupo Executivo Nacional do Movimento primando pelo estudo dos Fundamentos do MCC ficando os participantes incumbidos de estar repassando as aulas para os demais membros do movimento em suas respectivas paróquias.

Estudou-se nesses dias sobre: Essência, Finalidade, Mentalidade e Método do MCC; A Espiritualidade do MCC; Os ambientes, os candidatos, os responsáveis do MCC; A ação evangelizadora – pós cursilho e as diretrizes da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil; As estruturas operacionais do MCC.

Tudo transcorreu num clima de muita alegria, fraternidade e disposição de escuta e crescimento objetivando a expansão do Reino de Deus.

José Batista de Oliveira – M.C.C
Ultreya Mensal

Sob a coordenação do Grupo Comunitário Ambiental Nossa Senhora Aparecida, aconteceu no dia 1º. de abril, às 20 horas, no Centro Social Cristão Pe. José Nunes, a Ultreya de Abril. O grupo surpreendeu a todos com a escolha do tema Divina Misericórdia.

O ambiente foi cuidadosamente preparado com dizeres de Santa Faustina, com cartazes e quadros de Jesus Misericordioso.

De maneira harmônica o grupo contou com a ajuda do recurso, o data show, a história de Santa Faustina, o que significa o quadro e as cores que o compõem, a novena preparatória para tão grande festa, o significado e o valor desta festa e quão valoroso é o Terço da Divina Misericórdia.

Foram momentos de muita espiritualidade, despertando em todos o desejo de viver cada vez mais intensamente este amor misericordioso do Pai revelado a nós, em Jesus.

Parabéns a GCA Nossa Senhora Aparecida pela idéia e pela maneira bonita com conduziram esta Ultreya! Decolores!

Eloísa Neves

Seresta Decolores

Organizada pela comissão de eventos do movimento do cursilho sob a coordenação do casal Samuel e Synara, aconteceu no dia 04 de abril no Glória Clube a Seresta Decolores, com a presença dos cursilhistas e amigos que apoiaram a idéia.

Um clima de harmonia e descontração onde dançamos muito animados. Agradecemos ao Gloria Clube e a todos que ajudaram. Que este espaço seja sempre abençoado e propício a reuniões como esta. Agradecemos à Comissão de Eventos e a todos que participaram conosco.

Decolores - Eduardo e Eloísa .

domingo, 27 de janeiro de 2008

Consumir e distribuir pílula abortiva leva a excomunhão

Do ACIDigital:

Leia a notícia também aqui:

O Arcebispo da Arquidiocese de Olinda e Recife, Dom José Cardoso Sobrinho, criticou duramente uma campanha de distribuição maciça da "pílula do dia seguinte" anunciada pelas autoridades locais em vistas ao próximo carnaval, e advertiu que as pessoas que usam a pílula abortiva são passíveis de ser excomungadas.

A prefeitura de Recife anunciou que, como resultado da grande quantidade de "sexo casual" que ocorre durante os dias do Carnaval, a "pílula do dia seguinte" será distribuida massivamente, além do milhão de preservativos que se distribuem durante os dias das celebrações que precedem à Quarta-feira de Cinzas.

Nesta quinta-feira, Dom Cardoso assinalou que a distribuição da pílula "do dia seguinte" que tem efeitos abortivos "é aberrante e ilegal", pois no Brasil o aborto é ilegal.

O Prelado assinalou que a Arquidiocese pensa apelar perante a justiça a decisão da prefeitura, mas advertiu além que aqueles que a consomem, são passíveis de ser excomungados.

"Esta política é iníqua, e constitui uma atitude imoral, e neste caso, tanto quem a utiliza como quem promove seu uso está cometendo um crime passível de excomunhão", disse Dom Cardoso.

O Arcebispo também anunciou que vai enviar orientações aos sacerdotes das paróquias da Arquidiocese para que instruam aos fiéis na homilia dominical.

Um novo site de notícias católicas na rede: H2Onews


Foi lançado recentemente um novo site de notícias católicas, o H2Onews. O projeto é ambicioso: o objetivo é trasmitir diariamente notícias com áudio e vídeo em oito línguas, inclusive em português. São notícias sobre a Igreja em todo o mundo, que poderão ser utilizadas gratuitamente por sites, rádios e TVs católicas. Confira esse site!

Papa: o secularismo materialista é mais enganoso do que o marxismo

Do H2ONews:


Assista a essa notícia aqui:

É necessário responder à cultura materialista e egoísta com uma coerente ação evangelizadora, que parta das paróquias. Foi o que reafirmou Bento XVI no discurso aos bispos eslovenos, na conclusão da sua visita Ad Limina. O Papa denunciou o desafio do secularismo de matriz ocidental, diferente e talvez mais enganoso do que aquele marxista, marcado pela busca desenfreada de bens materiais, redução da natalidade, diminuição da prática religiosa com uma sensível diminuição de vocações. Em cada período da Igreja, notou em seguida, o testemunho de pobreza evangélica foi um elemento essencial da evangelização, e é necessário comprometerem-se, pastores e fiéis, numa conversão pessoal e comunitária, a fim de que uma cada vez maior fidelidade ao Evangelho na administração dos bens da Igreja ofereça a todos o testemunho de um povo cristão comprometido e sintonizado com os ensinamentos de Cristo.

terça-feira, 22 de janeiro de 2008

Vocês conhecem Matt Maher?

Matt Maher é um cantor católico americano, que lidera uma banda que tem o seu nome. Não é muito conhecido no Brasil ainda, mas é, certamente, um artista muito talentoso. Ele faz um som jovem e as letras de muitas de suas músicas são tiradas da Bíblia.

Para ouvir algumas cações, clique aqui e aqui. Para obter mais informações sobre ele, clique aqui.


O Jornal Partilhando volta em fevereiro

Neste mês de janeiro, o Jornal Partilhando está de férias e, por isso, não haverá a edição impressa. Voltaremos em fevereiro com as notícias da Igreja no mundo, no Brasil e em nossa paróquia, além de artigos variados sobre os temas cristãos.

Até lá!

sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

Jornal Partilhando nº 33 - Edição Especial de Natal

Esta é a Edição nº 33 do Jornal Partilhando, de Dezembro de 2007 - Especial de Natal. A versão impressa está sendo distribuída em Samonte a partir deste fim de semana.

Esperamos que você tenha um Natal muito feliz!

Índice

Veja o que você tem na edição deste mês do Jornal Partilhando:

- Palavra do Pastor
- Capa: Vamos nos preparar para o nascimento do Menino Deus
- Artigo: É o Natal que se aproxima
- Artigo: É tempo de Natal
- Artigo: A fé
- Partilhando Jovem: Alegria!
- História da Salvação: Rute - fé e lealdade
- Igreja no mundo: Salvos pela Esperança
- Conheça melhor: Padre Delair - Alegria e correção fraterna
- A Paróquia é Notícia

Vamos nos preparar para o nascimento do Menino Deus

“No sexto mês, o anjo Gabriel foi enviado da parte de Deus para uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré, a uma virgem, prometida em casamento a um homem, chamado José, da casa de Davi. O nome da virgem era Maria. Entrando onde ela estava, o anjo lhe disse: “Alegra-te, cheia de graça, o Senhor está contigo!” Ao ouvir as palavras, ela se perturbou e refletia no que poderia significar a saudação. Mas o anjo lhe falou: “Não tenhas medo, Maria, porque encontraste graça diante de Deus. Eis que conceberás e darás à luz um filho e lhe porás o nome de Jesus. Ele será grande e será chamado Filho do Altíssimo. O Senhor Deus lhe dará o trono de Davi, seu pai. Ele reinará na casa de Jacó pelos séculos e seu reinado não terá fim”.
Maria perguntou ao anjo: “Como acontecerá isso, pois não conheço homem?” Em resposta o anjo lhe disse: “O Espírito Santo virá sobre ti e o poder do Altíssimo te cobrirá com sua sombra; é por isso que o menino santo que vai nascer será chamado Filho de Deus... porque para Deus nada é impossível”.

Disse então Maria: “Eis aqui a serva do Senhor. Aconteça comigo segundo tua palavra!”
É assim que São Lucas nos relata, no primeiro capítulo de seu Evangelho, esse momento sublime da nossa História. Naquele dia, quando a jovem noiva foi surpreendida pelo anjo a lhe dar a mais importante notícia de todos os tempos, sua resposta, o seu “sim!” abriu as portas da salvação para todos nós.

O Natal se aproxima e devemos nos preparar para receber o Menino Santo, o Filho de Deus, como Maria se preparou. Devemos ter a mesma coragem que ela e São José tiveram para abrir mão de seus projetos a fim de cumprir a missão que Deus lhes confiou, aceitando a grande responsabilidade de serem pais terrenos de Jesus, suportando bravamente as dificuldades. Precisamos ter a mesma fé, a mesma fortaleza, o mesmo desprendimento.

Maria foi escolhida para ser a mãe do Salvador. E ela foi convidada: poderia ter se recusado. Se isso tivesse acontecido, tudo seria diferente. Mas Maria colocou-se nas mãos de Deus, fez-se serva do Senhor e acolheu Jesus Cristo em seu seio. Do mesmo modo, São José poderia ter se recusado a ser o casto pai tereno de Cristo. Poderia ter se afastado, procurado outra mulher, outra vida. Mas não o fez. São José também colocou-se nas mão de Deus, fez renúncias e viveu como servo do Senhor. Nada lhe foi imposto, ele também foi convidado.

Assim como Maria e José, nós também somos convidados a aceitar Jesus, a nos fazermos servos de Deus. Mas que papel faremos nós? Papel semelhante ao de Maria e de José, acolhendo o Salvador? Ou papel semelhante aos dos moradores de Belém, que trancaram suas portas, fecharam suas estalagens? A escolha é nossa.

Talvez você se pergunte: o que, afinal de contas, significa aceitar Jesus, dizer a Ele o nosso “sim”? Significa mudar de vida, significa renascer com Ele. Significa deixar para trás medos, fraquezas e vícios. Você se importa demais com dinheiro? Aprenda a reparti-lo. Você só quer saber de si mesmo? Aprenda a amar. Você valoriza demais a aparência? Aprenda a relaxar. Você prefere gastar seu tempo com TV, jogos, bebida, internet? Aprenda a se dedicar a coisas úteis e cons-trutivas para o seu próximo. Você vive brigando com sua família? Busque a re-conciliação. Tudo isso é apenas um começo, pois a caminhada é longa, mas recom-pensadora. É sinuosa, mas guiada por Jesus Cristo em pessoa. É árdua, mas apoiada pelo próprio Deus.

O Natal se aproxima. é momento de aproveitar para procurarmos ser homens e mulheres melhores: mais amáveis, mais pres-tativos, mais castos, mais alegres, mais fiéis, mais leais, mais fortes, mais humildes, mais soli-dários.E, quando o Natal passar, continuarmos assim, progredindo, melhorando.

Vivamos este Natal com profunda alegria. Afinal, estamos comemorando o nascimento de uma criança bela e amorosa, que cresceu para se tornar o melhor ser humano de todos os tempos. E mais: estamos comemorando a chegada, em nosso meio, em carne e osso, do próprio Deus. É momento de muita festa, de muita comemoração, de muita alegria. É momento de perdão, de partilha, de união.

É com tais atos, é com tal disposição, que estaremos dizendo, então, como fez Maria: “Senhor, eis aqui o seu servo. Faça-se em mim segundo a sua vontade”.

É o Natal que se aproxima

Autor: Reinaldo C. Moscatto

Final do ano. Andando pelas ruas das cidades, percebemos que as casas começam a ser enfeitadas. O comércio apresenta suas fachadas luminosas, vitrines decoradas com muitas cores. Atrativos os mais diversos para o consumo. É o Natal do mundo materialista. Do velhinho de barbas.

É o Natal que se aproxima. Nós nos transformamos. Floresce o espírito de fraternidade, solidariedade, caridade e amor, como nunca. Festas de confraternização são organizadas. Trocam-se presentes. Doam-se cestas de alimentos. Famílias se reúnem. Ceias e almoços se realizam. É o Natal que se aproxima. E o aniversariante?! Sabemos de fato o que representa o Natal? Jesus! O Salvador. A verdadeira razão do Natal não tem vez.

É o Natal que se aproxima. Natal é todo dia e começa em nossos lares; no trabalho; no grupo de amigos; no clube que freqüentamos; é a vivência e a prática dos ensinamentos do Mestre. Se Jesus, “o aniversariante”, ocupasse em nossos corações o espaço que lhe é de direito, o mundo seria bem melhor. Não haveria tanta violência; crianças e pedintes pelas ruas; casamentos desfeitos; traições; guerras; tantas doenças provocadas pela prática desenfreada do sexo;os nossos políticos pensariam, com certeza, nos menos favorecidos; não haveria tantas injustiças sociais; o empresário não seria tão ganancioso; o empregado seria mais consciente de suas obrigações; não haveria tanto desemprego; não seríamos falsos cristãos que freqüentamos missas e cultos, mas não vivificamos os ensinamentos de Jesus.

É o Natal que se aproxima. Natal é partilhar o que somos e o que temos,
principalmente com aqueles que não são respeitados como gente. Natal é todo dia.
É saber perdoar, dialogar e esquecer as ofensas recebidas; é ouvir; deixar o egoísmo e descobrir que o mundo não existe apenas em volta de você; é reconhecer o erro e pedir desculpas; é respeitar a esposa(o); fazer do lar um lar verdadeiramente cristão;
é os cristãos se respeitando e deixando de lado suas diferenças doutrinárias para juntos anunciarem a boa nova que é Jesus Cristo. É saber fazer uso do dinheiro; o sexo por amor e não pelo desejo; é ter humildade e não fazer do poder o objetivo da própria existência.

Natal é todo dia. É pensar como Jesus pensou; é procurar fazer o que ele fez e amar como ele amou. O Natal que eu quero e desejo para você é o verdadeiro Natal cristão. O Natal que eu quero e desejo para você é um Natal diário, repleto de amor e paz, cheio da presença de Jesus Cristo. “Que a paz de Jesus esteja convosco!”.

É tempo de Natal


Autor: Waldevino J. de Araújo (SSVP)

E eis que se aproxima de novo o Natal! Começam a brilhar novamente as luzes. Luzes que, como aquela estrela de Belém, nos guiam e nos comunicam o amor de Deus, avisando e relembrando-nos de que é tempo de renovação, de conversão, de perdão, de amor, de fraternidade e caridade.

Tempo de pensar nos pobres de nossa cidade... naqueles distantes, que sofrem o ano inteiro, os menos favorecidos. Tempo de pensarmos nos enfermos, que na demora dos atendimentos são vítimas e acabam por não ser atendidos, pois esperam, esperam... Tempo de pensarmos em nossa juventude, tempo de pensar na qualidade da educação, do trabalho, em moradia. Tempo de pensarmos no Menino Jesus que não teve casa para nascer, preferindo o coração humano para ali fazer sua morada. Enfim, tempo de pensar na Família, Santuário da vida, família que precisa de apoio, incentivo. Que a exemplo da Família de Nazaré, também a nossa se constitua no amar e na fraternidade, na espiritualidade, alicerces básicos e fundamentais da família.

Que neste tempo possamos dizer: Vem Senhor Jesus!Venha ficar em nosso coração. Desejamos a todos um feliz e proveitoso Natal e um Ano Novo de sucesso.

A Fé


Autor: Nilson A. Silva - PJ

Jesus falou muitas vezes sobre a fé, mostrando a necessidade de se ter fé e as maravilhas que podemos experimentar através da fé. Tantas pessoas foram curadas de suas enfermidades, pelo Senhor, porque tudo que tinham era a fé. E tantas vezes ouviram dos lábios do Senhor apenas isto; “Tua fé te curou!”.

Mais adiante, o apóstolo afirma que “a fé é uma maneira de se possuir aquilo que ainda não se tem”. Ora, a fé é uma maneira de alcançarmos aquilo que buscamos e conseguirmos aquilo que precisamos, ainda que à nossa volta tudo nos prove que não encontraremos e nem conseguiremos. Se a realidade fria e impessoal afirma que não podemos, a fé nos prova que já temos tudo de que nós precisamos.

A fé destrói a frieza da realidade e toca no íntimo de nossa alma, consolando-a e mantendo-a viva. Somente a fé nos move em direção a Deus e nos leva a superar a dor da miséria humana. A fé é algo que leva à cura do corpo mas, antes disso, ela cura por inteiro a alma e o coração. A fé age de dentro para fora e, agindo assim, brota da presença do Espírito de Deus que habita em cada ser humano. Assim, a fé é um dom de Deus, mas também é uma escolha do homem. Somente Deus dá a fé, mas ela precisa ser aceita no mais profundo do coração, pois só aí ela o tocará e o conduzirá em direção ao Senhor.

Se a fé se torna pequena e frágil em nosso coração, corremos o risco de simplesmente afundar no meio do mar, como Pedro ao caminhar em direção ao Senhor sobre as águas. Mas, se a fé se torna tão imensa que transborda de dentro da alma, ela é capaz de conseguir o melhor e o mais valioso para cada pessoa. Lembremos da mulher enferma que tocou as vestes de Jesus e foi curada. Quanta fé ela teve e quanta coragem e determinação a sua fé lhe deu para que ela rompesse a multidão e alcançasse o Senhor!

Se nós tivéssemos fé um pouquinho maior que fosse, quantas dores em nosso corpo e em nossa alma poderíamos evitar, quantas feridas poderiam ser curadas em nossa vida! Quando temos fé que o Senhor é capaz de cuidar de nossa vida e de nos dar tudo que precisamos, nossa vida se torna mais leve e mais agradável. O cansaço se torna menos penoso e a dor fica branda, pois o nosso coração pode repousar tranqüilo enquanto a nossa alma se volta para a contemplação do amor misericordioso de Deus.

São felizes todas as pessoas que enfrentam a miséria do sofrimento humano e, no final, ainda são capazes de dizer vitoriosas: “Mantive a fé!” E são mais felizes ainda porque assim ouviram e praticaram a palavra do Senhor em suas vidas.

Alegria!

Abençoada seja a alegria! E bem-aventurados os homens e mulheres alegres! Por que motivo não haveríamos nós de ser alegres? Por que não vivemos sorrindo, cantando, dando pulos de contentamento? Ora, porque somos uns ingratos, uns tolos, frescalhões exigentes para quem nada nunca está bom o suficiente.

Mas se abrirmos os olhos, se entendermos direito as coisas, se deixarmos para lá os nossos vícios, ah, que felicidade! Não vamos conseguir nos conter de tanta alegria!
Nós complicamos demais a vida. Deixamos nosso espírito depender demais de coisas externas a Deus e a nós. Colocamos nossa felicidade naquele empregão que queremos, nos carrão novinho, no namorado ou na namorada, no vestibular e até naquele par de sapatos na vitrine. Enquanto isso, o que realmente importa está sendo deixado de lado. E o que é que realmente importa? Ora, é Deus! É nele que está toda a alegria, toda a felicidade, todo o contentamento, todo o prazer! O resto é bobagem.

São Francisco de Assis abandonou tudo. Saiu de casa literalmente “com uma mão na frente e outra atrás”, e foi um dos homens mais felizes e alegres que já existiu. Ria à toa, encantava-se o tempo todo com a beleza da natureza. Vivia cantando e fazendo poesias. E alguém ousaria dizer que ele estava errado? Que ele era um tolo? Ora, foi um homem profundamente simples e profundamente sábio. Por que não o imitamos?

Não precisamos de nada para ser alegres, pois já temos tudo: temos Deus. Basta que nos lembremos de que estamos vivos, de que Deus criou para nós esse mundo com cores exuberantes, com sons reconfortantes, com perfumes suaves, com sabores deliciosos. Que alegria maior pode haver do que a alegria de estar vivo, de saber que somos filhos de Deus? Não podemos deixar que coisas desagradáveis, mas passageiras, escureçam a luz da alegria. Não podemos ser moles, fracos, deixando qualquer dificuldade nos abater. Precisamos aprender a ter ânimo e força, fé e esperança. Mesmo quando os problemas são realmente difíceis, as dores realmente penosas, precisamos nos lembrar da bravura de Jesus na cruz, do amor de Deus por nós, do prazer infinito que nos aguarda após a morte.

Vamos aprender a sorrir mais, vamos parar de reclamar, de criticar. Vamos aproveitar mais os muitos bons momentos que vivemos. Que delícia o cheirinho de café quente de manhã, o toque suave da água numa garganta sedenta, as primeiras palavras de um bebê, o barulho da água de um riacho claro num céu limpo, a brisa refrescante numa noite estrelada, o latido amigo de um filhotinho de cão, a sensação da areia fria num pé descalço, o jeito bobão dos enamorados, o carinho do pai e da mãe, a jabuticaba comida no pé, o passeio na casa dos avós, as piadas dos amigos, o trabalho bem feito, a noite bem dormida, o beijo afetuoso, a saudade, a esperança. Temos tantas coisas boas! Vamos valorizá-las, vamos nos alegrar por elas.

A criança e o jovem sabem ser mais alegres. Para a criança, tudo é novidade: cada nova descoberta traz um enorme excitamento, e, em sua inocência, tudo é bom. O jovem é confiante: ele se sente mais forte que o mal, e está pronto para o combate, o bom combate, o tempo todo. Ora, nós - crianças, jovens, adultos, velhos - precisamos ter um pouco dessa inocência e um pouco dessa confiança. Temperadas com a prudência dos mais velhos, seremos acapazes de atingir a felicidade.

Precisamos também aprender a levar certas coisas menos a sério e ter um pouco mais de bom humor. Mas é preciso diferenciar a alegria - que é um sentimento puro e solidário - da hilariedade - que é apenas gostar de rir - e da irreverência - que é o não ter limites para o riso. A verdadeira alegria é respeitosa, gosta de ver todos alegres. Fazer gozações com os outros não é mal, desde que não haja nisso nenhuma humilhação, nem desejo de fazer mal. Se alguém sai triste ou irritado de uma brincadeira, quem a fez pode nada ter de alegre - e ser apenas perverso. E brincar com as coisas santas, tirando delas o que têm de divino, é blasfêmia, pecado grave.

O jovem tem que ser alegre mesmo. Tem que viver cantando alto, tem que viver gastando energia, tem que viver correndo, se impressionando, se dedicando. Precisa viver alegre - e alegrando os outros. Pois quem inventou a alegria foi Deus e ela é uma bela arma contra o mal.

A alegria nos faz rir de nós mesmos: assim, nos ajuda a ser humildes. Ela nos faz rir das dificuldades: assim, nos ajuda ser fortes. Ela nos faz rir do mal: assim, nos ajuda a ser corajosos. Ela nos faz também solidários, amigos, caridosos.

Proocuremos nossa alegria em Deus. Sim, é possível querer e, por isso, ser alegre. É uma questão de despertar em nós esse sentimento. E ele é contagiante. Atrai coisas boas, atrai pessoas boas, ao mesmo tempo em que afasta o que há de ruim... E quem não gosta de conviver com pessoas alegres?

Viva a alegria!

Rute: fé e lealdade


A história narrada no Livro de Rute, que foi escrito em Judá em meados do século V antes de Cristo, se passa no tempo dos Juízes, numa época em que uma grande fome assolou o país inteiro. Naquele tempo, um homem chamado Elimelec foi com Noemi, sua esposa, e seus dois filhos morar no país de Moab. Lá os filhos se casaram com moças moabitas, uma das quais chamada Rute. Passados alguns anos, Noemi ficou viúva e, algum tempo depois, seus filhos também morreram. Então, ela e Rute decidem retornar a Israel. Já em casa, começam a passar por necessidades, visto a pobreza em que ficaram. Então, Rute foi trabalhar recolhendo restolhos de trigo das colheitas nas terras de Booz, um parente de Noemi. Devido a um direito previsto nas leis da época, Booz se casou com Rute algum tempo depois. Do casamento, nasceu um menino chamado Obed, que foi o avô de Davi, antepassado de São José. Assim, Rute se tornou antepassada de Jesus, sendo que o Evangelho de Mateus menciona seu nome em sua genealogia.
A história de Rute é marcada pela coragem e pela caridade, pela luta e pela perseverança. Nem Rute e nem Noemi desanimam diante das fatalidades e dificuldades da vida. Ao contrário, lutam pela sobrevivência e pela busca de um futuro melhor, apesar de tudo. É marcante ainda a solidariedade e a caridade com que Booz a acolhe e deixa seu coração encher-se de compaixão por ela. Num ato gratuito de acolhimento, ele põe suas capacidades a serviço da luta pelos mais pobres e necessitados. Outro ponto importante é que Deus sempre age através dos mais humildes e pequeninos, manifestando neles e por eles a sua justiça e a sua misericórdia. Davi, que foi o grande rei de Israel, teve uma origem humilde. E Jesus, o maior de todos os reis, também escolheu nascer de uma família humilde.

Quando o Livro de Rute foi escrito, os israelitas haviam retornado do exílio na Babilônia e passavam por um tempo muito difícil, que exigia sérias reformas e o recomeço de tudo para poderem retomar a sua vida normal. Assim, a história de Rute servia como um ponto de apoio e um exemplo que podiam seguir em suas vidas. Este livro, que tem apenas quatro capítulos, está entre o Livro dos Juízes e o Primeiro Livro de Samuel. Vale a pena ler e meditar esta pequena e tão bela história!

Salvos pela Esperança

Baseado em texto da Agência Zenit


O Papa Bento XVI apresentou no fim de novembro a encíclica Spe Salvi (“Salvos na esperança”). O documento, de quase 80 páginas, é dirigido a todos os fiéis. Começa com uma passagem da Carta do apóstolo São Paulo aos Romanos, “é na esperança que fomos salvos” (8, 24), e destaca como “elemento distintivo dos cristãos o fato de eles terem um futuro”: sua vida “não acaba no vazio”.

A encíclica explica que Jesus não trouxe uma mensagem sócio-revolucionária, “não era um combatente por uma libertação política”. Trouxe “o encontro com o Deus vivo”, com uma esperança que era mais forte do que os sofrimentos e, por isso mesmo, transformava a partir de dentro a vida e o mundo. Cristo diz-nos quem é na realidade o homem e o que ele deve fazer para ser verdadeiramente homem. Ele indica ainda o caminho para além da morte; só quem tem a possibilidade de fazer isto é um verdadeiro mestre de vida.

Para o Papa está muito claro que a esperança não é algo, mas Alguém: não se fundamenta no que passa, mas em Deus, que se entrega para sempre. Neste sentido, acrescenta, a crise atual da fé é sobretudo uma crise da esperança cristã.

A encíclica mostra as desilusões vividas pela humanidade nos últimos tempos, como o marxismo, que esqueceu o homem e a sua liberdade. Pensava que, uma vez colocada em ordem a economia, tudo se arranjaria. O seu verdadeiro erro é o materialismo. A fé cega no progresso é outra das desilusões analisadas, assim com o mito segundo o qual o homem pode ser redimido pela ciência. A ciência pode contribuir muito para a humani-zação do mundo e dos povos. Mas, pode também pode destruir o homem e o mundo, se não for orientada por forças que se encontram fora dela. Não é a ciência a que redime o homem. O homem é redimido pelo amor.

Padre Delair: Alegria e correção fraterna

Padre Delair Cuerva esteve em Samonte em novembro comandando, com sua habitual alegria, mais um retiro. Ele tem 43 anos de idade e 18 anos de sacerdócio. Foi ordenado para ser capelão da Força Aérea Brasileira, e hoje, liberado pelo Bispo Dom Irineu Danelon, da Diocese de Lins (SP), trabalha com comunicação na TV Século XXI, Rádio América, na Canção Nova e também pregando retiros.

Sua missão é evangelizar. Então ele vai Brasil afora, onde Deus sinaliza através dos convites que recebe para falar de Deus. “Não só desse Deus-Amor, mas também de um Deus-Bom Humor. Como diz o meu Bispo, é isto que faz a gente acreditar no Deus da alegria”, diz Padre Delair.

O Lema de seu sacerdócio é “Tudo por Jesus, nada sem Maria”. Padre Delair deseja que as pessoas sejam abraçadas e amadas através desta expressão: “Um beijo de Deus pelos lábios da Mãe em seu coração”, com o objetivo de levar Jesus e Maria a qualquer coração cansado, para que Eles possam reanimá-lo.

Padre Delair é muito alegre, tem um bom humor. Diz: “Tenho falado sempre que sou o padre mais alegre do mundo. Procuro passar para as pessoas uma mensagem de alegria, entusiasmo, benção. Tento puxar a orelha de forma alegre porque somos um povo acomodado. Levo a oração colocando os fiéis em sintonia com Deus de uma forma muito humana, um Deus muito presente, muito ‘gente’, não aquele Deus distante, alienado, mas um Deus que está ali com o povo e que caminha com o povo, que ajuda o povo a vencer qualquer obstáculo.”

É um sacerdote que se mostra obediente e apaixonado por Deus e se entrega completamente a Ele na Celebração, de maneira tal que na Consagração ele vive e age na Pessoa de Cristo; então, no Altar, ele ali se coloca ”In Persona Christi”, falando e agindo como Cristo. Todos os sacerdotes são convidados a realizar esse momento de extrema presença de Cristo, Senhor e Salvador. Esse momento Padre Delair vivencia rezando e obedecendo a Jesus por amor, fidelidade e seriedade. Como disse São João Maria Vianey: “Sou o Embaixador de Cristo na terra”, uma frase que o acompanha sempre.

Padre Delair também diz gostar do povo de Samonte. “Desde a primeira vez, me apaixonei pelo povo que me acolheu. Agradeço ao Pároco Monsenhor Olavo, que me permitiu entrar em sua Paróquia para pregar o retiro desde 2005. Pregar para vocês é uma alegria, porque vejo no povo de Santo Antônio do Monte esta alegria. Não é aquele mineiro trancado, tradicionalista. Santo Antônio rompeu bastante essa barreira e vocês romperam essa imagem. Vejo em vocês um povo alegre, espontâneo, livre, como eu.”

Quem ama corrige

“Padre quer dizer Pai. Pai da Família-Igreja, Pai da comunidade, que esta orientando, corrigindo e deve ser o grande entusiasta da comunidade, o grande incentivador. E os coordenadores de Pastorais e movimentos são a continuidade dos padres que vão incentivando o povo. O povo tem que aprender que correção é feita para quem a gente ama. Quem a gente não ama a gente não corrige. A pessoa não deve ser melindrosa, deve parar com esta história de reclamar, fechar o coração e não aceitar a correção. A correção é positiva em todos os aspectos, nos faz crescer”, afirma.

Uma mensagem de Pe. Delair

“ Viva a vida a cada minuto a cada segundo, sem medo de ser feliz. Tem um Deus lá em cima que gosta de você, que ama você, que é doido de amor por você. Não pare no caminho, prepara-se sempre para se encontrar com o Deus do Bom-humor. Confiança! Amor! Esperança!A gente não se despede, mas se encontra na Eucaristia. Lembrem-se de orar por mim, pois lembrarei de vocês! Oração! Alegria! Somos servos do Deus do Bom-Humor! Paz e bem!A Cristo, por Maria!”
Padre Delair tem programas nos meios de comunicação:
- Rádio Tropical AM 790 Lagoa da Prata. de 2ª a sábado de 20:00 ás 23:00.
- TV Século 21, uma vez por mês- Programa Madrugada de Bênção- neste mês de dezembro na noite de 13 para 14.
- Internet- www.asfa.com.br

A Paróquia é Notícia

Mais um servo na vinha do Senhor

No dia 15 de Dezembro o diácono Marcelo Adriano Ribeiro torna-se mais um servo na vinha do Senhor. Ele será ordenado sacerdote no Poliesportivo do bairro São José, às 10h, pelo bispo Dom Antônio Carlos Félix.

Marcelo é filho de José Ribeiro e de Helena Maria e tem um irmão: Marcos Adélio. Ele nasceu na cidade de Santo Antônio do Monte e tem 27 anos. Foi ordenado diácono em julho deste ano e agora se prepara para tornar-se padre. Ele celebrará sua primeira missa no domingo, dia 16, na Igreja Matriz, às 19h. Marcelo Ribeiro será vigário na Paróquia de São Carlos Borromeu, em Lagoa da Prata. Que Deus o acompanhe nessa árdua, mas bela caminhada!

Coroinhas de São Tarcísio

O movimento de coroinhas existe em nossa Paróquia há dois anos e meio. Já passaram por aqui muitas crianças e hoje são 21 coroinhas atuantes entre meninos e meninas. São crianças normais que brincam e são muito felizes no trabalho que fazem. Temos reuniões quinzenais e Adoração ao Santíssimo Sacramento toda quinta-feira as 18h30 na Igreja Matriz. É um trabalho que exige muito amor e dedicação, mas é muito gratificante também, pois vemos no rosto dos nossos coroinhas muita alegria por estar ajudando nas celebrações e assim doando um pouco do seu tempo a serviço de Deus e da Igreja. Se você, menino ou menina tem o desejo de ser coroinha, será uma alegria contar com você. É só procurar a coordenadora Ivana na Av. Governador Magalhães Pinto 33.

Assembléia Paroquial 2007

Com a presença de Mons. Olavo, Padre Adelson, seminarista Tiago e coordenadores de comunidades, pastorais, movimentos e grupos aconteceu mais uma Assembléia Paroquial no dia 15 de novembro de 2007.

A assembléia começou com um momento foi de espiritualidade e silêncio aos pés da cruz de Jesus Cristo, com a adoração ao Santíssimo Sacramento e com a benção do nosso pároco. À tarde, foi a hora de avaliar nossa caminhada de pastoral, os avanços e metas para 2008.

Com certeza 2008 será fecundo e próspero, pois o documento de Aparecida convida “a Igreja a uma verdadeira conversão pastoral, isto é, a uma reviravolta na sua forma de atuar. Essa reviravolta terá como eixo motivador a missão dada por Jesus. A Igreja deve estar sempre em estado de missão. As paróquias devem se organizar para atingir a todos: pessoas, famílias, crianças, jovens, adultos, anciãos e sociedade. Uma presença caracterizada pelo testemunho e pelo anúncio, uma presença que toque as pessoas no coração e desperte nelas o desejo do encontro com o Senhor.”

Em 2008 continuaremos a viver o mandamentto de Jesus: “Eu vim para que todos tenham vida e a tenham em abundância”.
Encontro de Casais com Cristo

Entre os dias 30 de novembro e 2 de dezembro aconteceu em Samonte mais um Encontro de Casais com Cristo. Com este encontro, as famílias de nossa Paróquia estão ganhando força e ânimo para servir a Deus na construção do Reino de Deus aqui na Terra.

O Encontro de Casais com Cristo (ECC) é um serviço da Igreja, em favor da evangelização das famílias. Procura construir o Reino de Deus, aqui e agora, a partir da família, da comunidade paroquial, mostrando pistas para que os casais se reencontrem com eles mesmos, com os filhos, com a comunidade e, principalmente, com Cristo. Para isto, busca compreender o que é “ser Igreja hoje” e seu compromisso com a dignidade da pessoa humana e com a Justiça Social. O ECC nasceu da inquietude de Pe. Alfonso Pastore, que dedicou sua vida sacerdotal à Pastoral Familiar, à Pastoral da Saúde e à Pastoral Carcerária.

A evangelização do matrimônio e da família é missão de toda a Igreja, em que todos os fiéis devem cooperar segundo as próprias condições e vocação. Deve partir do conceito exato de matrimônio e de família, à luz da revelação, segundo o Magistério da Igreja.

A Oficina de Oração em minha vida

Oficina de Oração,
lugar onde aprendi canção.
E amar a DEUS de todo o meu coração!

Aprendi também a dar o perdão,
impor a convicção de fé,
espontaneamente, com toda emoção!

Oficina de Oração,
sem querer transformou minha vida,
em uma grande mansidão.

Onde todos e tudo foi uma grande
confraternização, só se via
alegria... nada era ilusão.

Agora, só resta agradecer a Deus
por esta grande experiência de bênção
que me foi proporcionada na Oficina de Oração.

(Joseane de Melo Couto - Samonte - 16/11/07)

Aos oficinistas que caminharam conosco em busca da Face Bendita do Senhor, o nosso abraço em Cristo-Jesus. Um Feliz e Santo Natal aos fiéis de nossa Comunidade.
Lígia, Luzia, Conceição e Darci Equipe de Samonte

sábado, 24 de novembro de 2007

Uma nova funcionalidade em Partilhando Online

Colocamos uma nova funcionalidade no jornal Partilhando Online: o Snap Shots. Sempre que você colocar o mouse sobre algum link, aparecerá uma pequenina janela mostrando como é o site lincado. Por exemplo. Colocando o mouse sobre a palavra aqui, aparece uma janela mostrando como é o site do Vaticano. Assim, antes de clicar, você pode ter uma idéia de para onde está indo.

Se você não tiver gostado da novidade, sem problema. É só clicar no ícone da engrenagem, que fica no canto superior direito da janelinha do Snap Shots e lá você pode desabilitar essa funcionalidade.

Igreja Online

Existe na internet (e já tem algum tempo) um site que podemos considerar um dos mais completos catálogos de páginas católicas: é o Igreja Online. Tudo fica numa página só, então é muito simples de usar e de achar. Tem sites de dioceses, paróquias, movimentos, pastorais, editoras, ordens religiosas, comunidades católicas, blogs, agências de notícias, canais, grupos de jovens, Bíblias online e sites católicos em geral. É muito rico e está sempre sendo atualizado. Vale muito a pena conferir.

sábado, 17 de novembro de 2007

Jornal Partilhando nº 32 - Novembro de 2007

Esta é a edição nº 32 do Jornal Partilhando, de novembro de 2007. A versão impressa já está circulando na cidade, sendo distribuída nas missas e nos pontos tradicionais. Garanta o seu!

Índice

Veja o que você encontra na edição deste mês do Jornal Partilhando:

- Palavra do Pastor: Os Discípulos Missionários
- Capa: Você também pode ser santo
- Pastilhando Jovem: Vestibular - Tá na hora. E agora?
- Artigo: A Vida
- História da Salvação: Os Juízes de Israel
- Conheça nossa Igreja: RCC
- Quarto Restaurar-te
- A Paróquia é Notícia
- Homenagem a Santo Antônio do Monte
- Agenda

Palavra do Pastor: Os Discípulos Missionários

Autor: Monsenhor Olavo J. Sobrinho

Ser discípulo de Jesus na realidade do nosso cotidiano é o convite da VI Conferencia de Aparecida, e com certeza precisamos fazer com que isto se torne real nas nossas comunidades. Pelo batismo, já recebemos essa marca, esta missão: Evangelizar.

Contudo, a realidade que vivemos é desafiante, os problemas existem nos âmbitos econômico, cultural, político, ecológico etc. e é neste emaranhado que somos convidados a fazer história, a enfrentar os desafio, a ser discípulos a levar a boa nova da vida na família, no trabalho, construindo o Continente da Esperança e do Amor. Somente assim vamos conquistar nossa santidade. É também fundamental e não podemos deixar de lado a Comunhão, pois uma ação isolada pouco produz. Devemos buscar forças na comunidade, na paróquia, nos bispos e nos consagrados, culminando em Jesus Cristo – o Caminho único que salva.

Devemos ser discípulos não escravos de estruturas e leis. Devemos ter coragem de renunciar ao que impede a caminhada fraterna, ao que é peso, lembrando sempre o valor, a dignidade da pessoa.

Queridos, a Igreja está agora neste limiar; a Conferência de Aparecida é um marco para uma evangelização libertadora, se for colocada em prática. Procuremos ser discípulos de Jesus sem distinção e até questionando estruturas e que Deus nos abençoe.

Você também pode ser santo


Tem gente que fala, com certo orgulho, uma frase muito triste: “Eu não quero ser santo”. Quem fala uma coisa dessas provavelmente está pensando no seguinte: “santo é aquele que abandona os prazeres, vive de sacrifícios, aceita os sofrimentos. Isso é muito chato e eu quero é diversão”.

O mundo de hoje não gosta muito de Deus. Ridiculariza as pessoas que têm fé. Despreza a religião. Por isso, o mundo de hoje pinta o Céu como um lugar tedioso, com gente tocando harpa, e o inferno como um lugar onde as pessoas parecem estar alegres, dançando e se divertindo. Ora, isso não passa de uma armadilha: fazer o demônio parecer um cara legal, e seus domínios um lugar de prazeres. Nada mais errado! Prazer verdadeiro, alegria e felicidade completas, só existem no Paraíso, junto de Deus. E, no inferno, só há solidão e dor.

Ser santo significa buscar o Reino de Deus, significa lutar para estar junto dEle no Paraíso. E há muitos caminhos que levam ao Senhor. Há homens e mulheres santos que largam tudo e vão viver em oração, nos mosteiros e conventos. Há homens e mulheres santos que se dedicam a servir ao próximo, seja por meio do sacerdócio, seja por meio da caridade. Há homens e mulheres santos que vivem a santidade vivendo uma vida comum, cuidando de suas famílias, mas buscando fazer apenas o que agrada a Deus. Ora, ao longo de todos esses séculos, houve santos que, em vida, foram padres ou papas. Houve também alguns reis e rainhas. E houve donas de casa, operários, médicos, pensadores, pessoas humildes. Houve, inclusive, soldados como São Sebastião, Santo Expedito e São Jorge. Isso significa o seguinte: você também pode ser santo.

Santo é aquele que ama a Deus acima de tudo e demonstra isso com o amor ao próximo. Santo é aquele que procura ser virtuoso e tenta não pecar, mesmo que caia, mesmo que tenha dificuldades. Santo é aquele que pensa no bem do próximo antes de pensar em si mesmo. Santo é aquele que, aos poucos, vai aprendendo a resistir às tentações. Santo é aquele que busca agradar a Deus mais do que satisfazer suas próprias necessidades. Santo é aquele que vai deixando para lá bobagens como orgulho, apego excessivo aos bens materiais. É exercitando essas características que o homem santo e a mulher santa vão se fortalecendo e aprendendo a vencer a dor e o sofrimento. É assim que descobrem que prazer, de verdade, é aquele que nos aguarda no Paraíso e não as sensações passageiras que temos neste mundo.

Ora, é bem possível que você conheça pessoas assim. Pode haver santos ao seu redor neste momento. Você pode ser assim também. Você, na verdade, precisa ser assim.

Nós só temos nossa breve vida para escolher para onde queremos ir: para o Céu, onde estaremos juntos de Deus, ou para o Inferno – onde ficaríamos longe dEle para sempre. E para chegar ao Céu é necessário ser santo. Ou, pelo menos, se empenhar para ser. Aqueles que desistem, estão, na prática, comprando suas passagens para o Inferno.
Ou seja: santos não são apenas aqueles a quem rezamos por ajuda, que têm imagens nos altares e dias de festa. Certamente há muitos santos que não conhecemos ainda. Cada um de nós pode ser um deles.

Para isso, é preciso tomar uma decisão, fazer uma escolha. É a escolha de começar a seguir os passos de Jesus Cristo. De procurar viver como Ele viveu. Amar como Jesus amou. Sentir como Jesus sentia... Isso não é fácil, certamente. É um caminho difícil, mas um caminho cujo final é, na verdade, um começo: a Vida Eterna.

Nós podemos ser santos. Podemos aprender a compartilhar nosso tempo e nossos bens com quem precisa. Podemos aprender a ter compaixão. Podemos aprender a segurar nossos desejos – inclusive os sexuais – para satisfazê-los do jeito certo, na medida certa, na hora certa. Podemos aprender a superar o sofrimento. Podemos aprender a superar o medo e a fraqueza. Podemos aprender a viver as virtudes. O que precisamos combater em nós? Ora, o orgulho, a preguiça, a inveja, a avareza, a luxúria, a gula e a ira. São os chamados “Sete Pecados Capitais”. Por que “capitais”? Por que são os principais e qualquer um deles, sozinho, pode nos conduzir ao inferno. Mas ao lutar contra eles, nós desenvolvemos virtudes como a humildade, a caridade, a justiça, a prudência, a fortaleza, a esperança, a fé e a temperança. Se conseguirmos desenvolvê-las bem, pouco a pouco, estaremos nos santificando.

Para ser santo, no entanto, não basta querer. Precisamos contar com a graça de Deus. Por isso, precisamos pedir. Precisamos ter fé e orar constantemente para que Deus nos conduza, nos purifique, nos aceite entre seus eleitos. Precisamos pedir a Ele a força para lutar contra o pecado. E, aqueles que querem de verdade, Deus socorre.

Vestibular - Tá na hora. E agora?

Esse é um dos momentos mais importantes da vida de muita gente. Passar por ele parece até obrigatório, embora, na verdade, não seja. Pensar nele causa irritação. Quando ele vai se aproximando, o nervosismo vem vindo junto. E na hora H, não há quem não trema um pouco. É ele mesmo: o vestibular.


É quase um rito de passagem. O jovem fica um ano (às vezes mais) meio que separado do mundo. Seus amigos vão dançar e ele está lendo os livros da prova de Literatura. Seus amigos conversam sobre o novo filme que saiu e ele está aprendendo estequiometria. Seus amigos o chamam para dar um passeio e lá vai ele estudar logaritmos outra vez. Sua vida agora é a geometria e a Guerra dos Cabanos. É o eletromagnetismo e o ciclo de vida das samambaias. Até que um dia ele tem que se colocar à prova: mostrar que esse ano de estudos valeu a pena.
É preciso fazer valer. É preciso levar a sério. Por mais chata que essa rotina seja às vezes, por mais inúteis que muitos dos conteúdos estudados pareçam, é preciso perseverar. Não se consegue nada sem sacrifício, nós sabemos. Quem quer passar no vestibular tem que abrir mão de algumas coisas para conseguir outras.

Mas, se no fim das contas, o resultado não for a vitória, não se deve desanimar. É possível tentar de novo. É possível continuar, prosseguir. A perseverança é uma virtude muito importante. Ninguém deve desistir por causa de um fracasso. A vitória pode estar esperando logo ali, adiante. E, na segunda tentativa, é preciso corrigir os erros cometidos na primeira. Não houve dedicação suficiente? Então que o empenho aumente agora.

Por outro lado, é muito importante ter em mente que o vestibular, o ingresso numa faculdade não são etapas obrigatórias, não são um destino com o qual devamos nos conformar. É perfeitamente possível ser feliz, ser bem sucedido, em trabalhos que não tenham a ver com carreiras universitárias. Cada pessoa sabe fazer bem alguma coisa, e cada um gosta de fazer alguma coisa. Quando o saber fazer e o gostar de fazer se encontram, aí poderá estar a realização pessoal. É possível ser feliz como empregado, como profissional liberal ou montando o próprio negócio. O importante é trabalhar com honestidade e com dedicação.

Algumas pessoas tentar fazer o vestibular porque foram condicionadas a isso: ou os pais obrigam, ou a escola faz parecer que não há outros caminhos, ou a pessoa está de olho mesmo é no status. Infelizmente, há muita gente nessa situação que acaba quebrando a cara...

Porém, se você acha que o seu caminho é esse mesmo, então vá em frente. Mas vá mesmo, com determinação e sem preguiça. Prepare-se de verdade, estudando com afinco.

Mas não deixe os estudos separarem você do mundo. Alguns sacrifícios você terá que fazer, é certo, mas não deixe que eles sejam tantos que, no fim das contas, a sua vida é que acaba sendo sacrificada. Não se distancie da família nem dos amigos. Separe um tempo, talvez os fins de semana, para estar junto das pessoas de quem você gosta. Separe um tempo para esquecer dos livros e da pressão de ser aprovado. Do contrário, seu nervosismo só aumentará.

E o mais importante: não se distancie de Deus. Não deixe de rezar, de ir às missas e de participar de encontros e movimentos. A aprovação num exame não é mais importante do que a salvação de sua alma. E, afinal, ninguém pode ajudar você mais do que Deus.

Se você vai prestar vestibular neste final de ano, boa sorte! Se você está de olho é no ano que vem, então prepare-se bem - e tudo vai dar certo.

A Vida

Autor: Nilson A. Silva - PJ

Deus, eterno e perfeito, deu-nos a vida por amor e por amor mantém a nossa existência. Deus, vivo e onipotente, por sua vontade quis que pudéssemos viver aqui na terra e, um dia a seu lado, vivermos na eternidade contemplando a sua glória e gozando da felicidade perfeita. Deus, no infinito de sua sabedoria, deu-nos a capacidade de sabermos da sua existência e pôs em nosso coração o desejo de estarmos a seu lado. Deus encheu-se de amor por nós e derramou em nossa alma este amor tão ardente e tão magnífico.

Jesus, a Palavra de Deus que se fez homem e quis compartilhar de nossa vida humana, esteve na terra para nos mostrar as maravilhas que o Senhor preparou para cada um de nós na eternidade. Jesus experimentou as dores e as alegrias que sentimos, enfrentou as dificuldades e solidões por que passamos, conviveu com amigos e parentes da mesma forma como também nós convivemos.

Jesus, quando chegou diante do túmulo onde tinham colocado Lázaro, comoveu-se profundamente e chorou pelo amigo. Ora, Jesus e Lázaro eram amigos e o Senhor sempre deu um imenso valor às amizades. Jesus sofreu a dor da perda do amigo estimado, como tantas vezes também nós sofremos. Por isso, o Senhor chorou. E tão grande foi a dor que Jesus sentiu que ele, que é o Senhor da vida, mandou que Lázaro se levantasse e voltasse a viver. E ele saiu vivo!

A vida, dom mais perfeito de Deus, é a manifestação mais perfeita da glória de Deus. Viver é glorificar a Deus e reconhecê-lo como Senhor e Criador de todas as coisas. Reconhecer o direito à vida é reconhecer a soberania de Deus sobre toda a criação. Tudo foi feito por Deus, por isso tudo pertence a Deus. A vida de cada pessoa pertence a Deus desde o princípio até à eternidade. A vida de cada ser vivente pertence a Deus desde o princípio até o seu fim.

Quem ama a Deus, ama a vida que o Senhor dá e respeita a vida de seu semelhante e a vida de todos os seres viventes.

História da Salvação: Os Juízes de Israel


Quando Josué morreu, os hebreus já tinham se estabelecido em Canaã. A partir daí, aqueles que governaram o povo israelita ficaram conhecidos como “Juízes”. A história dos Juízes está situada entre 1200 a 1020 anos antes de Cristo. Foi um tempo cheio de dificuldades, com a continuação da conquista da Terra Prometida.

Os Juízes eram os chefes que governavam, de forma vitalícia, as tribos de Israel (lembra-se delas? Eram doze, cada uma com o nome de um dos filhos de Jacó). Esses administradores era os “Juízes Menores”. Houve tempos em que surgiram grandes dificuldades, situações de guerra, quando surgiram líderes carismáticos que uniram e guiaram as tribos na luta contra os inimigos. Esses líderes foram chamados de “Juízes Maiores”.

Os juízes menores foram: Samgar, Tola, Jair, Abesã, Elon e Abdon. Os juízes maiores foram: Otoniel, Aod, Débora e Barac, Gedeão, Jefté e Sansão.

A grande dificuldade enfrentada pelos juízes no governo dos israelitas era a infidelidade a Deus por parte do povo, que muitas vezes se voltava para o culto aos deuses pagãos. Outra dificuldade era enfrentar e vencer os povos cananeus que ainda resistiam.

Débora conseguiu a vitória sobre os reis cananeus que habitavam as terras centrais e, assim, possibilitou a união entre as tribos do norte e as do sul. Gedeão, que a princípio relutou em assumir a liderança dos hebreus, tentou reorganizar o povo e conseguiu vencer os reis de Madiã. O jovem Sansão lutou contra os filisteus, que haviam se estabelecido na região costeira e se tornaram uma ameaça séria aos hebreus. Era um homem muito forte, muito corajoso, mas também pouco prudente. Ele acabou se apaixonando por Dalila, que o traiu e o entregou aos seus inimigos, os filisteus, que o mataram.

O tempo dos juízes termina com o início das atividades do profeta Samuel, considerado o último dos Juízes. Quando Samuel envelheceu, os israelitas começaram a pressioná-lo para que escolhesse para o povo não um novo juiz, mas, agora, um rei. Antes de conhecer sua história, entretanto, vamos conhecer, no próximo mês, o primeiro livro da Bíblia inteiramente dedicado a uma mulher: Rute. Até lá, para saber mais detalhes, leia o Livro dos Juízes.

Conheça nossa Igreja: RCC

Renovação Carismática Católica: Ênfase no Espírito Santo


A Renovação Carismática Católica (RCC) é um movimento da Igreja surgido nos Estados Unidos em 1967. Tudo começou em um retiro espiritual na Universidade de Duquesne, na cidade de Pittsburgh. Alguns estudantes e professores participaram desse e de outros retiros, em que era enfatizada a ação do Espírito Santo na vida de cada um de nós. Rapidamente a Renovação Carismática chegou a outros países. No Brasil, ela começou em Campinas, em 1969, com o padre Eduardo Dougherty.

O Grupo de Oração é a base da estrutura da Renovação Carismática. Organizados geralmente nas paróquias e liderados por leigos, eles são formados por um número variado de pessoas, em reuniões que acontecem semanalmente.

Muitos dos grupos de oração deram origem às comunidades carismáticas, onde os laços de vida entre seus integrantes são mais estreitos. Estas comunidades têm várias estruturas, vocações, formas e graus de dedicação. Algumas delas foram muito importantes para o desenvolvimento e propagação da Renovação.

A RCC ressalta a necessidade de cada cristão confirmar, em suas ações, os votos feitos no batismo e na crisma e de buscar Jesus tendo como suporte os dons do Espírito Santo.

A Renovação Carismática coloca uma ênfase especial nas obras do Espírito Santo. Os Frutos do Espírito são amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança” (Gálatas 5:22). Ele também concede dons aos cristãos tais como os dons de profecia, línguas, discernimento, sabedoria, cura, fé, milagres, sabedoria e ciência. A Renovação Carismática Católica acredita que atualmente esses dons estão novamente sendo concedidos.

Quarto Restaurar-te

E aí galera que pertence à única Igreja fundada por Jesus Cristo! Louvado Seja Deus que nos deu a oportunidade de realizar, pelo quarto ano, o incrível e surpreendente encontro de jovens, o Restaurar-te.

Mais uma vez, com o Centro Paroquial Sagrada Família lotado com mais de 250 jovens, este encontro abalou as estruturas do inferno e levou o de mais precioso ao coração dos jovens, que é o Amor de Jesus por cada um de nós. Com animações, músicas, teatros, pregações e muita oração, todos os jovens que estavam ali não se arrependeram de deixar as coisas do mundo para se encontrar com o Nosso Senhor.

Neste encontro tivemos a presença de dois pregadores de Divinópolis, Wendel e Geovani, mas conhecido como Joca. Pregadores que levaram a palavra de Deus com autoridade e com desassombro. São João nos ensina que nós jovens somos fortes, a palavra de Deus permanece em nós e vencemos o Maligno.

Não adianta apresentar as árvores sem os frutos, Jesus disse que conheceríamos as verdadeiras obras pelos seus frutos, e aqui apresento alguns frutos:

Gostei muito, para mim foi de grande proveito. O momento que mais me marcou foi o momento de adoração ao Santíssimo Sacramento no domingo. Este encontro mudou o meu modo de pensar.” (Gabriella Cardoso).

Foi um encontro maravilhoso. Eu fiquei super feliz, pela primeira vez me senti tocada pelo Espírito Santo, senti o amor de Jesus e me senti libertada. Tudo isso agradeço ao pessoal do grupo de oração Frutos de Maria.” (Daniele Silva).

Eu gostei muito do Restaurar-te, pois foi uma experiência muito boa e diferente. Senti coisas que eu nunca pude imaginar e tenho certeza que era Deus.” (Higor Santiago).

Pra mim foi uma das maiores experiências que já tive na vida, sempre acreditei em Deus, mas estar dois dias inteiros me dedicando somente a ele é excepcional. Acho que todos nós deveríamos dedicar dias e dias de nossas vidas ao Nosso Senhor, ou melhor, devemos viver somente para o Senhor sem esquecer que ele é a razão de nosso viver. Só tenho a agradecer, te amo Pai.” (Aline Loregian).

Vocês leram alguns exemplos, mas Deus realizou maravilhas na vida de todos que estiveram presentes nestes dois dias de Restauração. O Restaurar-te foi criado pelo Grupo de Oração Frutos de Maria, que se reúne toda sexta-feira às 20 horas na Capela Senhor dos Passos.

Grupo Frutos de Maria


A Paróquia é Notícia

Paróquia tem novos Ministros da Eucaristia

Com as presenças de Dom Félix, Bispo da Diocese de Luz, de Mons. Olavo Jacinto Sobrinho e de Padre Adelson Sousa, aconteceu no dia 20 de outubro, durante a Celebração Eucarística, um momento importante na comunidade paroquial da Santo Antônio: a investidura de novos Ministros Extraordinário da Sagrada Comunhão.

Àqueles que deixaram este serviço prestado a comunidade e ao Reino de Deus fica o agradecimento sincero conforme a fala de Mons. Olavo. Esse serviço, de acordo com os critérios da Igreja, é de 5 anos, para que outros fiéis leigos e leigas possam também fazer a experiência de levar ao doente o Cristo Vivo no sacramento da Eucaristia.

Show Beneficente pela reforma da Igreja Matriz


Agradecemos a todos os que de forma direta e indireta colaboram para o show de Eros Biondini, possibilitando evangelização, confraternização e um grande momento de louvor a Jesus Cristo que nos conduz a Casa do Pai.

Aos Conselhos de Pastoral e de Assuntos Econômicos, agradecemos todo empenho e esforço. Que Deus os cubra de bênçãos por este tempo de promoção mostrando a importância da Reforma da Matriz de nossa Paróquia. E a você que compareceu, prestigiou este evento do seu jeito, nossos agradecimentos. Contamos com Você no próximo evento.

Resultado financeiro do show:

Doações e patrocínios recebidos: R$ 4.279,59
Venda de Ingressos: R$ 15.120,00
Total arrecadado: R$ 19.399,59
Despesas pagas com doações e patrocínios: R$ 4.279,59
Despesas pagas com a venda de inressos: R$ 5.850,00
Total de despesas: R$ 10.129,59

Total líquido arrecadado: R$ 9.270,00

Assembléia Paroquial

Um momento de oração, avaliação e confraternização vai acontecer no dia 15 de novembro no Centro Social Padre José Nunes. Com início às 9 horas, tendo como objetivo a Ação Pastoral da Diocese de Luz , “Evangelizar: Formando a pessoa humana, renovando a comunidade e construindo uma sociedade solidária, em vista do reino definitivo”.
Estão convocados os coordenadores de comunidades paroquiais, pastorais, movimentos e grupos. Isto é: todas as forças vivas da Paróquia de Santo Antônio.

Pastoral Carcerária e Pastoral da Sobriedade

As pastorais sociais se unem para que a promoção humana aconteça em nossa comunidade paroquial. No dia 24 de novembro, às 18 horas, vamos celebrar um ano de Conselho da Comunidade da Comarca de Santo Antônio do Monte. Temos muito o que agradecer, muito o que aprender e muito o que fazer. E seguir em frente, pois os obstáculos não podem impedir que a Graça de Deus atue em todos os momentos de nossa vida. Que possamos cantar como a música nos ensina:

Vejam, eu quebrei as algemas, levantei os caídos, do meu Pai fui as mãos. Laços, recusei os esquemas: eu não quero oprimidos, quero um povo de irmãos. Vejam, do meu Pai a vontade eu cumpri passo a passo. Foi pra isso que eu vim. Dores, enfrentei a maldade, mesmo frente ao fracasso: eu mantive o meu ‘sim!’

Homenagem a Santo Antônio do Monte

Quem não se lembra do Hino desta cidade: “Santo Antônio, cidade querida...”
Das praças, dos encontros e desencontros dos namorados.
De seus poetas, artista, violeiros, sanfoneiros. Das noites de serestas.
Do Sr. Avelino, do Cine Marabá, de D. Maria Castro, Pe. Paulo, Monsenhor Otaviano.
De D. Dilma Moraes, D. Olívia, D. Ângela, D. Puríssima... Professores que marcaram de forma muito positiva seus alunos.
Quantos nomes poderíamos citar, pessoas que constróem a história desta cidade, marcada pela religiosidade, pela espiritualidade, pelo amor à pessoa humana. Um povo solidário e acolhedor, um povo que sabe viver.
Parabéns Santo Antônio do Monte!!! Que Deus continue a abençoar essa terra tão querida.

Havia uma vez um ancião que passava os dias sentado junto ao poço na entrada do povoado. Um dia, um jovem se aproximou e lhe perguntou: - Nunca estive por aqui... Como são os habitantes desta cidade? O ancião lhe respondeu com outra pergunta: - Como são os habitantes da cidade de onde vens? - Egoístas e maus, por isso fiquei feliz de ter saído de lá. - Assim são os habitantes desta cidade - respondeu o ancião. Pouco depois, outro jovem se aproximou e fez a mesma pergunta: - Estou chegando a este lugar. Como são os habitantes desta cidade? Como da vez anterior, o ancião devolveu a pergunta: - Como são os habitantes da cidade de onde vens? - São bons, generosos, hospitaleiros, honestos e trabalhadores. Eu tinha tão bons amigos que me custou muito separar-me deles. - Os habitantes desta cidade também são assim, respondeu o ancião. Quando o jovem se afastou, um homem que levara seus animais para beber da água do poço e acabara por escutar a conversa, disse ao ancião: Por que respondeste assim para estas duas pessoas? - Veja - respondeu ele, cada pessoa carrega o universo em seu coração. Quem nada encontrou de bom em seu passado, tampouco encontrará aqui. Ao contrário, aquele que tinha amigos em sua cidade, aqui também encontrará bons amigos. As pessoas refletem o que existe em si mesmas. Encontram, sempre, o que esperam encontrar.

Snap Shots

Get Free Shots from Snap.com